E nós, para onde vamos?

Já iniciando o mês de setembro, a falta de chuvas, conhecida como “a seca”, continuará a caminhada avassaladora sobre o nordeste brasileiro. É tão certa como dois e dois são quatro. Todo ano, desde os tempos que a memória alcança, vem matar aos poucos a família nordestina. Meu primeiro livro, A Santa do Pau Oco, editado em 2003, tem como fio condutor a famigerada seca. Começa assim…
“A seca continuava comendo bicho e gente. Quase todos os barreiros e cacimbas já tinham secado. Os catingueiros fugiam para a beira do rio, acampando na sede do município. Comiam o que encontravam pela frente. O povo tinha medo. O comércio de cereais e alimentos fechava as portas; o risco de saque era grande. O prefeito pouco fazia, dizia não saber fazer chover…”
O que mudou objetivamente em relação à seca de 1890, 1940, 1980, 2013, 2014 e agora em 2015? Nada mudou. A situação permanece inalterada por conta da utilização da seca como instrumento de controle político. Nunca, em todos os tempos, teve tantos carros pipas cortando as estradas nordestinas “distribuindo” água. Antigamente, os caminhões eram velhos, caindo aos pedaços; hoje, são de última geração, novos e caros. Ou seja, o que se paga para distribuir água pra matar a sede agora compensa investimentos de grande monta. E pergunto: Mudou a compreensão das causas e as formas adequadas para combater o mal? Qual a diferença entre o tempo em que Dom Pedro II jurou vender as jóias da coroa, mas resolveria o problema da seca, e os tempos de hoje?
Não vejo diferença. O mal nunca foi resolvido e a falácia é a mesma. Só reproduzindo o que ouvi no meu tempo de Extensionista Rural na EMATERBA e o que li nos livros dos governos e dos especialistas, a forma de combater a seca seria possibilitar ao flagelado melhores condições para enfrentá-la. Ou seja, criar estrutura de convivência. Lembro-me que vários colegas de trabalho foram a Israel estudar as avançadas técnicas que possibilitavam produzir em pleno deserto, com precipitações pluviométricas (chuvas) abaixo do nordeste brasileiro. Foram, conheceram, voltaram, repassaram os conhecimentos, foram realizados seminários… Cumpriram a obrigação, mas, de concreto mesmo, pouco chegou ao nordestino flagelado. Continua dependendo dos carros pipas, das benesses de governos através dos cabos eleitorais.
Agora pergunto: E eles, para onde vão?
—————-
As fotos foram obtidas em Remanso, BA.

Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário

São João de fogo morto…

É São João, das mais alegres festas nordestinas. Permite a participação plena de todos por nada exigir, apenas equiparar-se ao matuto, ou seja, apresentar-se de forma simples e bonita. A Festa mudou muito. Não cabe arguir se para melhor ou não; mas, difícil não recordar os folguedos, ainda mais nas cidades do interior nordestino. Como esquecer o pipocar dos fogos iluminando a noite e o fumaceiro cobrindo a cidade?
Famílias inteiras chegavam de Salvador, São Paulo e outros lugares distantes para festejar, como recomendava a música: “Vamos, vamos Joana, vamos na carreira, vamos pra fogueira festejar o São João…”.
Meninos trocavam os tostões por qualquer enfeite da festa. Mais tarde, receberiam dos pais alguns fogos para iluminar a noite, quantidade e qualidade proporcional às condições da família. Dinheiro era difícil. Eu costumava receber uma caixa de fósforos “elétricos” coloridos, chuvinha prateada e alguns traques, pequenas bombas no formato de palito, com recomendação de “muito cuidado pra não se queimar”. Os meninos misturavam-se na rua e produziam uma festa de pipocos e fumaça. Os mais velhos tocavam traques na mão, virando o rosto, e até colocavam bombas sob latas e penicos que voavam aos ares sob o impacto da explosão. Infelizmente, acidentes aconteciam, não raramente com gravidade.
Após, arribávamos em busca das fogueiras, símbolo maior do São João de antigamente. Quem não conhece a música “a fogueira está queimando em homenagem a São João”?
Em Remanso, minha terra, queimavam muitas fogueiras. A mais famosa era a de Zé Clementino, animada pela família e parentes da capital. Um festão! Comida e bebida farta animada por sanfonas, zabumbas e saxofones, todos esperando o momento da queima da fogueira.
Logo, as labaredas lambiam o tronco da árvore trazida de longe e enterrada em frente à casa. As pessoas ávidas para avançar as prendas amarradas aos galhos e desejando a “caixinha de segredo”, pequena embalagem recheada de dinheiro, sempre no galho mais alto. Era o sonho de todos. A pressão era tanta que muitas vezes não esperavam a fogueira queimar; era derrubada “crua” mesmo, como se falava. Os acostumados vestiam várias roupas molhadas para proteger do fogo e dos busca-pés, faziam carreira e tentavam derrubam a fogueira. Nem sempre conseguiam.
Quando a grande árvore corroída pelo fogo sinalizava cair, todos se preparavam, inclusive os tocadores de busca-pés, cuja função era afugentar os mais afoitos.
Logo, o fogaréu consumia o tronco e a fogueira arriava. Palmas, gritaria, foguetes e busca-pés! O povo disputava no braço as prendas nos galhos: sabonete, loção, macarrão, bolacha, cachaça e, principalmente, a caixinha do segredo. Os busca-pés faziam a festa, a fumaça turvava a noite, o povo gritava, caia, levantava e corria das fagulhas do bicho!
Aos poucos, a fogueira virava cinzas e morria. O local adquiria perfil esfumaçado de guerra, mas, para felicidade geral, entre os feridos todos se salvavam. E começava o forrozão temperado com muita fumaça e licor. Viva São João! Fogos dos mais diferentes cortavam os céus. Como tudo era novidade, os meninos diziam:
— Desse eu nunca tinha visto!
E hoje? O São João perdeu o perfil rural. Urbanizou-se. Foi ficando distante até esvanecer-se por trás do caminho e da vida de cada um. Virou fogo morto. Cinzas, como as fogueiras que animavam as noites frias do dia 23 de junho. Tudo tem seu tempo. É como diz o povo: Águas que vão não voltam…
————————
*Astrogildo Miag é Escritor. Autor de: A Santa do Pau Oco, O Purgatório de Eduardo, Memórias de um Coroinha, Era uma vez um comunista, O legado da loucura, Lampião, governador de Brasília e O homem que morreu cinco vezes.
Visite: astrogildomiag.com.br

Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário

Pelo 57º Aniversário de Taguatinga/DF

Taguatinga, Titico e o galo garnisé
Por Astrogildo Miag*

Taguatinga completa cinquenta e sete anos. Muitos exaltam a Taguatinga “metrópole” e renegam a pecha de cidade de interior sob o argumento da grande população e desenvolvimento. Pois, Taguatinga ainda é uma cidade interiorana!
Como prova, informo que, todo santo dia, com chuva ou sem chuva, desperto ouvindo o canto de um galo garnisé no quintal de alguma casa da rua. O canto rouquenho e esganiçado rasga a madrugada a partir das três horas de todos os dias. Certamente, pelo volume do canto, é um animal pequeno; mas, enche de melodia as madrugadas frias do conjunto J da QNL 8.
A mesma quadra é, também, morada de Titico, cão de estimação da senhora Terezinha. Conheci poucos tão inteligentes quanto Titico. Às vezes, quando se atrasa nas andanças pelas ruas, encontra sua “residência” com as portas travadas. O que faz? Não tem voz humana, mas sabe se comunicar. Titico, caminhando paralelo, roça e vibra a cauda sobre a grade de proteção da residência. Produz um som característico e conhecido como se chamasse os “de casa”. E todos já sabem: Titico chegou e pede para entrar!
Titico conhece (de vista, é claro) os moradores da rua. Sua vizinha Inês saúda-o manhã cedo (Titico, você já está na rua?) e o contempla com um pão doce ao retornar da padaria. Ao avistá-la, de longe ainda, mesmo carregando o fardo de mais de dez anos de idade animal, Titico levanta-se faceiro e vai encontrar a vizinha ainda na metade do caminho. Ganha o doce que lhe é servido com uma observação reservada aos humanos, mas, também, a um animal inteligente…
— Você não esquece, hem?
Balançando a cauda confirma a observação da vizinha.
E são muitas as demonstrações dos ares interioranos de Taguatinga. Certo dia, na caminhada matinal ao lado da Chácara Onoyama, ouvimos o canto do anum, pássaro muito encontrado nas paragens nordestinas. Ao ouvir o belo canto, o cidadão desconhecido que cruzava em sentido contrário o calçadão parou-me e mostrou o braço…
— É o canto do anum branco. Fiquei todo arrepiado. Lembrei quando ainda era menino lá, em Santana, na Bahia, e ouvia o anum cantar no pé de aroeira.
Que demonstração de intimidade e carinho de alguém que nunca me vira; mas, se achou no direito — e eu reconheci — de parar um desconhecido para referir-se à intimidade da alma e lembrar a infância perdida. Quando tal seria possível se Taguatinga não respirasse ares interioranos?
São muitos os flagrantes de bucolismo; provam que a “cidade” pode ser grande e rica sem perder o calor humano. Entretanto, simplicidade não significa prostrar-se aos caprichos e ditames de outros, sejam pessoas, entidades ou à própria Administração do Distrito Federal. Neste ponto, infelizmente, a Taguatinga opulenta e rica fragiliza-se. É o ponto fraco.
A Constituição Federal veda ao Distrito Federal a divisão em municípios, principal característica dos Estados da Federação. Ora, se não pode subdividir-se em municípios não poderia crescer demasiadamente. Mas, assim não pensaram os governantes que trouxeram o inchaço populacional. O resultado é que, embora com problemas de município real, as antigas “satélites”, como Taguatinga, não têm autonomia política, não elegem prefeito e vereadores. Ostentam administradores regionais escolhidos pelos políticos e nomeados pelo Governador. E sendo nomeado pelo livre arbítrio pode ser demitido amanhã, ou hoje mesmo, se aquele governante assim deliberar. Temos, então, uma Taguatinga rica, dinâmica e enfraquecida politicamente, sem autonomia orçamentária e financeira, recebendo as “rebarbas” dos recursos prioritariamente aplicados em Brasília, núcleo do Distrito Federal.
Defendo o direito à discordância. O administrador regional de Taguatinga pode sentir-se ofendido. Os governadores podem declarar que fizeram, fazem e tudo farão por Taguatinga. Porém, ainda falta muito em termos de usufruto das benesses e investimentos públicos de modo a se aproximar da proporcionalidade da sua importância.
Mas, chega de referir-me às mazelas. Não quero ser ave de agouro na “cidade” onde vejo as peripécias de Titico e ouço o canto esganiçado do galo garnisé cortando a madrugada. Porém, obrigo-me a reconhecer a precária representação política de Taguatinga. Não comungo o ditado da “farinha pouca meu pirão primeiro”; mas, concordo que tem sido mais fácil meter a faca no boi (que é grande) que a unha na pulga, que é quase invisível. Ou seja, a maior parte das lideranças mata o boi na época das eleições para a Câmara Legislativa, mas não mata uma pulga no cotidiano normal da cidade. A comunidade parece estar acéfala politicamente. Sem pai, sem mãe…
Pra compensar, tenho a inteligência de Titico e o canto madrigal do galo garnisé. Deus tome conta de quem espera quieto as coisas melhorem. Quando? Só Ele sabe…
___________________
*Astrogildo Miag ocupa a Cadeira nº 27 da Academia Taguatinguense de Letras. Membro da Câmara de Vereadores Comunitária de Taguatinga, CVCT/DF. Visite: astrogildomiag.com.br

Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário

Capítulo II – A Promessa

Anoitecera. Após a sopa do jantar, penteei os cabelos e despedi-me rumo à igreja. A novena era dedicada aos artífices — cabeleireiros, marceneiros, alfaiates, sapateiros. Encontrei-me com Zelito, sapateiro, em roupa de linho branco. Carlotinha completava as duas garrafinhas, do vinho e da água. Repreendeu-me:
— Estava viajando? Nunca mais veio pra novena. Não teve nem coragem de avisar ao padre? — Estava doente, dona Carlota; ele não recebeu nenhum recado? Pergunte a ele, respondeu-me desinteressada. Indaguei se a novena fora bonita. Respondeu-me: — Não sei; estava rezando. Não vi se foi bonita ou não. — Pedia perdão a Deus, dona Carlota? — Perdão de quê? Uma pessoa viúva, com minha idade, morando sozinha, que pecado pode cometer? Tá me achando com cara de quê? Vou dizer ao padre suas pilhérias…
Saí da sacristia. Deparei-me com a procissão dos artífices, todos de branco, velas acesas. À frente, meu padrinho Mindu, marceneiro. Parei a apreciar aqueles homens de labutar grosseiro, que, em louvor à mãe de Deus, carregavam flores. Entoaram o hino da Virgem: “Salve ó virgem mãe piedosa. Salve estrela formosa do mar…”
O grupo avançava à entrada principal. Carregavam andor feito por eles mesmos. No centro, onde deveria estar a imagem, o vazio. A imagem ainda não voltara do Mato Grosso. Assustei-me ante a possibilidade da santa não estar presente no dia da festa. Pensei alto, chamando a atenção de quem passava. Carlotinha perguntou-me:
— Parece que falava em Nossa Senhora. Sabe de alguma coisa?
— Ia perguntar à senhora se a santa chegou ou não.
— Ainda não; o padre está sem dormir. As filhas do Apostolado rezam o dia todo a Salve Rainha só até o mostrai Jesus… Aí completam: mostrai a imagem da virgem do Rosário.
— Dona Carlota, a imagem vai aparecer, tenho certeza!
— Também acho. Ela foi para o povo sentir falta. E que falta! É como se todos perdessem a mãe e o pai na véspera de Natal.
— A senhora viu a procissão dos artífices carregando o andor vazio pra mostrar que ninguém preenche o lugar dela?
O padre chegava à igreja. Carlotinha deseja boa noite; o vigário responde solícito: — Seria a melhor noite do mundo se recebêssemos uma mensagem da mãe do céu. — Virou-se a mim: — Já não quer ser coroinha? Três dias sem aparecer…
— É o que mais quero, padre. Estava doente. Minha mãe não disse nada? Mandei recado ao senhor. Ainda estou adoentado.
O padre chamou-nos. Perguntei-lhe pela santa:
— Nem sinal. O pior é que o telégrafo não recebe nem envia mensagem. Seu Sátiro do telégrafo viajou no lombo de burro pra correr a linha até Juazeiro.
— Vai demorar quanto tempo, padre?
— Dez dias andando dia e noite, me disse. Espero que descubra o defeito para, pelo menos, enviar e receber mensagem do Bispo. — O padre vai ao guarda-roupa, escolhe os paramentos… — De hoje em diante só se celebra de preto, em sinal de luto.
— Agora, padre, a santa imagem de Nossa Senhora foi fazer o quê, em Salvador? Por que não mandaram consertar antes?
— Consertar? Que palavras duras. A imagem santa foi a Salvador para restauração.
— Restaurar não é consertar?
— Mas não são os termos.
— Certo. Quem mandou pra restauração?
— Dona Lúcia Sobrado pediu ao chefe da barragem, que encaminhou ao melhor restaurador com todas as despesas pagas.
— O erro foi esse. De graça nada presta.
— Não entendi aonde quer chegar.
— A lugar nenhum. Já cheguei e estou aqui pra ajudar a novena.
A procissão dos artífices entrou pela porta principal. Velas acesas. O andor vazio intrigou a muitos; mais ainda Januária, apelidada Januária doida:
— Nunca vi procissão com andor vazio. É pra não carregar peso? Se essa moda pega…
Os artífices continuaram a marcha. O padre pediu um minuto de silêncio pela alma de Anita, dona de barraca de mingau que acabara de ser assassinada. Um minuto de silêncio pelo aparecimento da santa…
Januária doida, como era chamada, reprovou:
— Desse jeito não vai ter novena. Não basta procissão com andor sem santo? Daqui a pouco, mais um minuto de silêncio pelo filho do governador que morreu do coração, em Brasília. Outro minuto pelo cantor que está com câncer…
A marcha dos artífices prosseguia. Zé Romão, que segurava um dos braços do andor, escorregou. Uma vela do andor foi lançada ao altar, ateando fogo na toalha de linho. Tudo rápido. O padre gritou, avexado: Não deixem o fogo tomar conta do altar!
Alice Carneiro tentou abafar o fogo que já queimava o missal. O padre, paralisado ao ver o missal ser destruído. Gino Muniz, com sua voz de trombone, implorou: Tragam água! Tragam água!…
— Aqui não tem água, não!
— Nem de beber? Uma igreja não ter nem um pouco de água? O padre não sente sede?
— Já vem abastecido. Nunca me pediu água. — respondeu Carlotinha.
Os artífices tentaram apagar o fogo com as mãos. Alice Carneiro implorou:
— “Minha Nossa” Senhora, ajuda aqui! Remanso não tem Corpo de Bombeiros, a igreja vai pegar fogo!
Everaldo gritou por água:
— Cadê a água? Será que nessa Casa não tem água?
Januária doida não gostou:
— Mais respeito com a casa de Deus! Precisamos é rezar pra que Ele apague o fogo. Ele quer uma demonstração de fé. Vamos rezar o Credo: Creio em Deus pai…
Todos aderiram ao Credo. O padre foi carregado desmaiado à sacristia. Everaldo continuava clamando por água:
— Reza é forte, mas sem água não apaga fogo. Um pouco de água pelo amor de Deus!
Uma voz respondeu: — Água tem e muita.
— Aonde? — perguntou Everaldo.
— Água benta. Nunca falta água benta em uma igreja.
— Não vou jogar água benta no fogo.
— Então deixe a igreja queimar. Aí, nem igreja nem água benta.
— Derramar água benta é pecado.
— Fora a água benta, ainda tem muita água.
— Aonde?
— Na pia batismal.
— Aí é pecado dos grandes. Usar a água santa do batismo, que tira os pecados, pra apagar fogo?
— Então deixe a igreja pegar fogo. Aí nem pia batismal nem igreja.
O fogo não diminuía. Alguns já fugiam com medo de uma catástrofe: Saiu no rádio uma igreja pegando fogo. Morreram mais de cem. Vamos embora!
Uma voz clama. Era Januária:
— É castigo! O fogo veio em um andor vazio. Só existe uma forma de apagar: Com oração e água da pia batismal. Uma lata d’água apaga esse fogaréu. Peguem a água! Aproveito para lembrar que a Santa Mãe ainda continua longe. Quero fazer uma oferta ao Pai: Prometo, perante esse fogo, trocar minha vida pelo retorno da nossa padroeira. Dou minha vida pela volta da santa! É minha promessa.
Por conta da agonia do momento ninguém analisou as palavras e a promessa de Januária, a doida. Após, a impressão foi que os ânimos se acalmaram. Everaldo trouxe, ele mesmo, uma lata d’água da pia batismal e apagou o fogo. O padre voltou a si. Alice Carneiro sugeriu que o mesmo fosse pra casa, descansar. O Reverendo não aceitou. Caminhou ao altar, falou em voz alta:
— Queridos fiéis, precisamos ter fé. Preparemos o coração para receber a imagem da nossa padroeira, que estará aqui, com fé em Cristo, antes do último dia de novena. Vamos rezar, afugentar os espíritos malignos. Esta será a última Festa. No próximo ano, quem tiver a graça, verá a Festa na cidade nova que está sendo construída. A Virgem Maria é bondosa, ama o povo desta terra e estará aqui no dia da despedida!

Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário

A Promessa, capítulo 1

Capítulo I

Viu a pouca vergonha?

Esta história desenrola-se na cidade perdida no fundo da minha alma, na acepção mesma das palavras. Remanso, no Médio São Francisco da Bahia, onde nasci, já não existe, tragada pelas águas da Barragem de Sobradinho nos idos da década de setenta.

 Era dia dedicado aos funcionários públicos. Correram Livro de Ouro, fizeram bingo, rifa, jantar dançante. Conseguiram dinheiro suficiente para doação de dez bancos de cedro.  A entrega solene seria na novena, logo mais. Os bancos na igreja desde cedo, portas abertas à visitação pública. O padre achou um primor:

— Nossa Senhora do Rosário agradecerá com muitas graças a doação.

Edmundo dos Correios, representando os funcionários públicos, conduzia os visitantes aos bancos.  Eu próprio fui conferir: — Boa tarde, Agildo. Como vai seu pai? Esses dias vai ter muito trabalho, graças a Deus! Eu mesmo vou lá cortar meu cabelo. Pode entrar, você é de casa. Conhece a igreja mais do eu.

— Que nada, seu Edmundo, o senhor faz parte do corpo místico da igreja. É no mínimo uma parte do braço direito. Eu não sou nem um pedaço do braço esquerdo.

— Gostaria de ter um filho igual a você. Sabe se comportar e conhece o catecismo como poucos. Remanso precisa de um filho padre. Estou achando que vai ser você. Deus o conserve.

Agradeci. Olhei os bancos novos, bonitos e envernizados. Mostravam que o marceneiro Doca caprichara no serviço. Ainda lavrara uma mensagem na própria madeira: “Oferta dos funcionários públicos a Nossa Senhora do Rosário”. Fiz menção de sentar-me; fui repreendido por dona Carlota: “Não sente, não; o  padre só vai benzer de noite”. Obedeci.

Os pássaros voavam indiferentes. Churés, primos de pardais, sentavam na cabeça de Santo Antônio. Cantavam desrespeitosamente a cantiga bonita que Deus lhes dera. Não satisfeitos, voavam e sentavam no braço direito da imagem de Cristo segurando o globo terrestre.  Faziam safadeza ali mesmo, no ato sexual mais natural. Após, batiam as asas, arrepiavam as penas e relaxavam para recuperar as forças. Voavam os dois, lado a lado.

Os altares mostravam pequenas manchas provocadas pelos pássaros. Sujavam tudo de cocô, trabalho para Carlotinha. Diariamente limpava a igreja, como naquele momento. Não aguento mais limpar tanta bosta de passarinho, disse enquanto descansava o balde com água. Tem churé demais! Cagam tudo! O padre não quer que mate. Por mim, jogava veneno e matava. Matar é pecado, dona Carlota, disse-lhe.

— Pecado é o que eles fazem.

— São inocentes, não têm juízo.

— Você é quem diz. Parece que fazem as coisas olhando pra gente. Não viu a pouca vergonha? Os dois em cima da cabeça da imagem de Jesus fazendo?

— Dona Carlota, foi Deus quem criou os pássaros e mandou que se reproduzissem.  Jogar veneno seria pecado.

— Não é você que limpa. Já cagaram até na minha cabeça.  Tinha que diminuir a quantidade de passarinhos.

— Não é cheio de coruja no sótão? Quem deveria se encarregar de matar churé era coruja. Animal contra animal não é pecado.

— Coruja só sai de noite. De noite os churés estão dormindo, ninguém sabe aonde.

— Então, dona Carlota, Deus quer que os churés fiquem aqui na igreja.

Caminho à saída. A imagem da padroeira não está no altar. Pergunto: Dona Carlota, a imagem de Nossa Senhora já chegou?

— Não sei; passei na casa do padre pra saber. Ele estava tão triste que resolvi não perguntar.

— Será que vai encontrar o caminho de volta, longe como está? A santa é milagrosa, mas esse Mato Grosso é longe. É terra desbravada pelos bandeirantes. O fim do mundo! Só tem índio e onça. Não sei não…

Deixo Carlotinha entregue ao serviço. Despeço-me de Edmundo perguntando pela Santa. Responde-me:

— Não sei não, Agildo; foi parar no Mato Grosso. Dizem que é terra de muito ouro. Será que vão deixar ela voltar? O bispo pediu ajuda à empresa construtora da barragem. Viajou uma pessoa pra cuidar disso. O lugar é longe; quase no Pantanal. A previsão é um mês pra ir e voltar.

— Um mês? Quando chegar já acabou a Festa. Não podia ser mais depressa?

— Só vier de avião. Mas tem que consertar o campo de aviação, que é mato puro. O padre vai se reunir com o prefeito amanhã. Se não preparar o campo, a imagem só chega no outro mês.

Que adianta festa de padroeira sem a própria? Resolvo ir à casa do padre. Atravesso a praça da igreja. Roque de Maninho Soeiro conduz as vacas holandesas do patrão. Compridas, manchadas de preto, cada peito enorme guarda mais de dez litros de leite. É leite demais.  Ao passar pelo beco das Machadas alguém chama. É Bira do Valdemar Viana, bom de bola da Rua de Cima. Pergunta-me para onde vou; respondo-lhe que vou à casa do padre. Bira provoca-me: “Fazer o quê, lá? Depois diz que não é filho do padre”. Defendo-me: Deixe de safadeza! Vou à casa do padre tratar assunto da igreja. Mas você só vai por interesse!…

Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário

A Festa do Rosário de Remanso, BA: Algumas palavras

Aproxima-se a Festa do Rosário, nome carinhoso das comemorações em louvor da padroeira de Remanso. São nove dias de preparação ao evento, as chamadas Novenas, cada dia dedicado a um segmento social. A grande praça em frente à igreja matriz é ocupada por fiéis e romeiros, sobretudo filhos da terra, que têm reencontro marcado a cada Festa do Rosário. O ápice ocorre em 30 de outubro, quando milhares de fiéis ocupam as ruas em procissão com cânticos e louvores. Todos querem tocar o andor que conduz a Padroeira e pedir as graças que se acharem merecedores. Ao final, início da noite, cerca de quinze mil pessoas tomam a praça para rogar saúde, retornar no ano vindouro e reencontrar os clérigos e amigos. Imaginem as saudades se tivéssemos certeza de que ao Remanso e à Festa do Rosário não retornaríamos nunca mais!
Exatamente aconteceu quando Remanso, Casa Nova, Pilão Arcado, Sento Sé e dezenas de comunidades/povoados distribuídos ao longo das margens do Francisco desapareceram sob as águas da Barragem de Sobradinho. O vazio sentimental e cultural permaneceu durante anos, até que as comunidades flageladas suplantaram a dor e reconstituíram a vida. No início, abraçamos com indecisão se a nova cidade seria ou não a nossa, se herdaria ou não nosso amor. Hoje, recriamos laços fraternais que fortalecem Remanso. Com participação decisiva da comunidade, sob a batuta de Padre José Benedito Rosa, recriou-se a Festa do Rosário de Remanso, grande evento no calendário religioso da Bahia.
Adaptando passagens do nosso livro Memórias de um Coroinha, publicado em 2005, recriamos, no formato literário de novela, intitulada A Promessa, o clima que antecedia a última Festa do Rosário, com um condicionante bem dramático: o desaparecimento da própria imagem da Padroeira extraviada ao longínquo Mato Grosso, para cidade com o mesmo nome Remanso.
A Promessa foi divida em quinze capítulos. Serão divulgados, a partir de 29 de setembro, às segundas, quartas e sextas feiras. Exceção à semana da Festa do Rosário, quando os últimos capítulos serão apresentados nos dias 26, 27 e 28 de outubro.
Inicialmente os textos serão divulgados em nossa página do facebook/astrogildomiag, Grupo ParasempreRemanso, em outros blogs/páginas e jornais on line que deliberem compartilhar. A divulgação é livre, sem restrições.
Para facilitar, todos os capítulos estarão disponíveis no site astrogildomiag.com.br, na aba blog.
CAPA

Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário

Viva o povo brasileiro

O tempo se encarrega de levar o passado, que vai ficando cada vez mais passado… Lembro-me de João Ubaldo Ribeiro escrevendo as primeiras linhas nas colunas do Jornal da Bahia, em Salvador, e transformar-se em grande Escritor do mundo. O Brasil acordou “mudo” ao perder tão cedo o vozeirão literário de João Ubaldo. Para homenagear o autor de “Viva o povo brasileiro”, pequena passagem do meu livro “Lampião, governador de Brasília”, publicado em 2009.

A diarreia do Capitão
Por Astrogildo Miag*

Notícia corre mais que as pernas. A festa de Lampião em Ibotirama espalhou pela região de tal forma que, no percurso para Barreiras, ainda na Bahia, quando a grande cavalhada passava, à margem do asfalto para preservar os cascos dos animais, as comunidades já esperavam os cangaceiros com bandeirolas. Não raramente, o prefeito, como ocorreu em Cristopólis, foi até Lampião e o convidou para visitar a urbe. O capitão não poderia aceitar; mas, a insistência foi tanta que se obrigou entrar na cidade e tomar um café com o gostoso beiju de puba. Os cangaceiros, ainda com as panças cheias do churrasco rodízio de Ibotirama, empanturraram-se com beiju, gerando reação agressiva nos intestinos. Foi uma obradeira horrível cerca de duas horas após ganharem a estrada. A comitiva estacionou sob uma mangueira e espalharam-se para evacuar os intestinos. Era uma choradeira só. Lampião, esse, coitado, em estado lastimável, quase bota as tripas para fora com uma cólica intestinal sem tamanho. Prometeu nada ingerir, a não ser líquido, durante dois dias. Nem cavalgar o capitão podia, pois sacolejava a barriga e aí já viu, a cólica atacava as estranhas.
Severino sorria baixinho para si mesmo. Não é valentão, e agora? Vença a caganeira, capitão! E o capitão mal abria os olhos, condoído por dentro e por fora. Também, não abria a boca para se queixar; obrava calado, espremendo-se para expelir a cólica seca. Só uma vez admitira, prostrado, falando alto, que já se salvara de tanta bala de fuzil e via-se na hora de morrer de uma caganeira. Severino, agora bem próximo do homem, tudo ouvia. Sorriu para si mesmo e disse:
— Capitão, o senhor é valente, é macho e é brabo, mas pra doença todo corpo é mole, inclusive o senhor. É a lei da natureza.
Lampião negou que estivesse doente, apenas sentia uma dor de barriga, ora! Dor de barriga essa que obrigou a comitiva a ficar todo o dia sob a sombra da mangueira, bebendo chás de folha e de casca de pau. E nada de melhorar. Era tanta a gastura e o sofrimento que o doido do Feião queria, ainda arreiou o cavalo, voltar à localidade onde achava ter sido a origem da comida que tanto mal fizera ao grupo. Desistiu, não por livre vontade, mas, por conta de não apresentar condições físicas razoáveis para a tal viagem. Aparecesse uma volante policial naquele dia e estariam irremediavelmente mortos e enterrados, pois a reação seria mínima. “Deus do céu, desse jeito vou virar bosta de tanto cagar”, disse o diabo do Feião correndo mais uma vez ao mato.
Lá pelas tantas, de tardezinha, sol já posto, Lampião lembrou que perdera muito tempo em desfavor do objetivo da viagem. Ia perder a moral se não estivesse na capital federal nos trinta dias que mandara informar ao presidente. E convocou a tropa. Antes, pediu ao cangaceiro Rezador que fizesse uma oração forte. Rezador, então, concentrou-se no fundo da alma, tirou uma oração e partiram. O capitão, era o chefe de todos, amarrou o cavalo na sela de Moderno, pediu licença, pró-forma, e viajou descansando na boleia da camioneta de Vadinho, cada vez mais cheia de presentes. Entre os cangaceiros ainda se brincou: Se a moda pega e o capitão gostar de andar na boleia ele pode se amofinar, hem Beija-flor? Beija-flor não concordava com a brincadeira. O homem estava doente, e muito doente, não aguentava nem ficar em pé. Também! Parece que nunca tinha visto comida, lembrou Pinga Fogo, logo se desculpando, estava brincando, com medo de alguém contar ao capitão.
E assim romperam a noite, os cavalos produzindo bem sob a lua e clima ameno. Não acostumado ao ritmo, Severino cochilava, cai não cai do animal, motivo de pilhéria.
Três dias depois desciam a serra que conduzia a Barreiras, berço da cultura da soja na Bahia, cidade robusta, verdadeiro eldorado. Na entrada da urbe a comitiva foi interpelada por alguém vestido como policial. Queria falar com o chefe, para onde foi levado. Pediu a identificação. Lampião meteu a mão nos embornais procurando a certidão de batismo, apresentou-a ao “policial”, que não aceitou: Queria a carteira de identidade. Ninguém tinha. Disse que os animais estavam presos. Ah menino, Lampião pegou este homem pela abertura da camisa, suspendeu e disse: — Pega ele aí, Zé Baiano! Ensina como se respeita homem!
Zé Baiano arrancou o instrumento de ferrar, e mostrou: Você sabe o que é isso? — Ante a resposta negativa…
— É ferro de ferrar homem e mulher safada!
Pinga Fogo correu para acender o fogo onde o ferro viraria brasa. No mesmo instante, Beija-flor retirou das calças o punhal sem tamanho e mostrou ao “policial”… — E isso, sabe pra que serve? — Ante a estupefação do coitado, ele mesmo respondeu: — É pra capar gente igual a você, que quer ombrear com o capitão Virgulino! — Com quem, perguntou o coitado. — Com o capitão Virgulino Ferreira da Silva, o Lampião!
— Me desculpe capitão Lampião! Nunca pensei que fosse o senhor! Não sou nem policial. O senhor está vendo essa farda, foi meu patrão que me mandou vestir pra cobrar pedágio a quem usar suas terras como passagem, pois a chuva comeu a estrada e ele mandou construir esse desvio. Vi tanta gente, me animei achando que podia cobrar um real de cada pessoa. Mas nunca pensei que fosse o senhor. Me perdoe, capitão!
O homem se jogou ao chão, chorando. Lampião não o deixou na farsa de continuar extorquindo o povo. Foi incisivo: — Levanta e deixe de choro. Tire a roupa! — O coitado não acreditou: — Tirar a roupa, capitão? Pra quê? — Ainda quer retrucar? — Feião encostou já com o punhal na mão. O homem obedeceu imediatamente e mostrou-se nu, só de ceroula. Beija-flor perguntou se era para capar; Zé Baiano inquiriu se ferrava na bunda ou na cara; e homem se acabando de chorar…
Severino apreciava, um pouco afastado. Não conhecia cangaceiro no exercício da profissão; repugnou a violência. Intercedeu pelo homem… — Capitão, me desculpe a intromissão; mas, vai capar e ferrar o coitado?
Os dois cangaceiros envolvidos na operação esperaram a resposta… Por quê? Tem alguma coisa contra? — Perguntou Lampião. Severino contemplou… — Capitão, estamos em região de paz. Por onde o senhor passa é só festa. Se o povo pudesse, carregaria o senhor nos braços. Polícia nenhuma vai se bater contra o senhor. Então, deixe o homem ir.
Beija-flor não aceitou as ponderações:
— Ele despeitou o capitão e tem que ser castigado!
Severino baixou a voz e disse ao cabra:
— Beija-flor, admiro sua coragem e fidelidade; mas, o coitado não conhecia nem pensou que fosse o capitão Virgulino e seus homens. Estava cobrando pedágio pelo uso do terreno particular, pois a chuva quebrou a estrada. O patrão dele fez este desvio para cobrar um real a cada um que passasse, entendeu?
— E a farda?
— Não é uma farda como a de vocês, aliás, como a nossa, pois também estou fardado. — Severino mirou a sua “farda” e a viu bem suja, hora de ser lavada. Insistiu com Lampião…
— Então, capitão, minha ideia é essa; soltar o homem sem castigo nenhum, mas o senhor é quem decide.
Lampião ordenou que recolhessem as ferramentas, pois o homem não era inimigo. Mesmo assim, Beija-flor ainda aplicou um açoite de chicote de cavalo nas costas do coitado, deixando a marca…
— Da próxima vez não tem salvação!

Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário

Niver

Agradeço aos amigos as manifestações pela passagem do meu aniversário. Tentei responder-lhes individualmente, e ainda comecei; não consegui, frente à quantidade. Faço-o agora, oferecendo-lhes pequeno texto referente ao evento. Obrigado a todos!

NIVER
Astrogildo Miag
Dia do aniversário. A eterna ilusão de que o dia lhe pertence desvanece ante as marteladas de operários em obra próxima à casa. Foi-se o tempo em que fazer aniversário era acordar cedo, ir à missa, cortar cabelo, cortar o bolo, parabéns, presentes… Acabou esse direito. Agora, sob o som das marteladas, corre apressado ao banheiro, tomar banho e partir ao trabalho. A mulher desperta com o barulho. Sonolenta…
— Parabéns, me dê um abraço…
Aniversariante não muda a marcha ao banheiro, ao trabalho…
— Depois. Já estou atrasado!…
O barulho de carros impacientes na avenida. Um avião corta o espaço, sempre no mesmo horário. A sirene de viatura policial anuncia a violência, sinal de vida da sociedade atual. O caminhão de bombeiros com seu alarme lacerante corre a apagar incêndio ou socorrer algum indigitado…
— Arre, nem hoje?
A mulher, por trás, beija-o e registra…
— Parabéns, seu aniversário…
Obrigado, já estou atrasado, responde. O telefone anuncia que alguém quer lhe falar…
—É Rai!
— Feliz aniversário meu compadre!
— Obrigado, comadre, já estou atrasado!
Chave do carro, cheio de responsabilidade parte ao dia do aniversário, no trabalho…

Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário

Mensagem

Prezado Astrogildo,

Estou em viagem e infelizmente não poderei comparecer ao evento.
Desejo sucesso no lançamento do livro de contos. O título é deverás intrigante. Por coincidência, a vencedora de prêmio Nobel de literatura deste ano é especialista nessa técnica narrativa.
Grande abraço,
DONG
Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário

Lirismo e humor

:Twitter

 Camila Maxi
camila.maxi@jornaldebrasilia.com.br

Astrogildo Miag, baiano de Remanso – município que desapareceu para dar lugar à Barragem de Sobradinho –, fez de Brasília sua morada, fonte de inspiração e recanto para a realização de seus sonhos. O escritor lança amanhã o livro O Homem Que Morreu Cinco Vezes, a partir das 18h30, na Livraria Cultura do shopping CasaPark (Guará).

Em sua sétima obra, o autor apresenta 30 contos que abordam temas variados sob a verve da comicidade unida à poesia. O conceito de fazê-lo nasceu há dois anos e, ao longo desse tempo, Astrogildo amadureceu a ideia e pôs a empreitada em ação. “Resolvi parar para escrever contos populares. Com linguagem direta e objetiva, eles levam o leitor a diversos devaneios”, conta Astrogildo.

 O curioso título traz questionamentos inevitáveis. A resposta, porém, é simples: em uma mistura de ficção e realidade, cinco dos contos que compõem a publicação têm como conteúdo e tema a fantasia de supostas mortes do escritor, distribuídas ao longo das narrativas.

 Origem 

 Astrogildo escreve desde cedo. Aos 16 anos, se arriscava a preencher páginas de pequenos cadernos com versos e poemas. “Acreditava que seria possível custear meus estudos fazendo poesia”, diz.  Em 2001, o escritor veio morar em Brasília por conta do trabalho e aqui encontrou oportunidade para publicar seus trabalhos. Aos 57 anos, Astrogildo se dedica quase que integralmente a uma de suas grandes paixões. “Não quero parar nunca. Escrever me traz uma grande satisfação. A gente voa, vai longe”, declara.

 Serviço

 O Homem Que Morreu Cinco Vezes

Autor:  Astrogildo Miag

Editora:  Astrogildo Regis Barbosa

Páginas: 246

Preço médio:  R$ 29,90

Lançamento –  Amanhã, a partir das 18h30. Na Livraria Cultura do Shopping CasaPark (Guará). Entrada franca. Informações: 3403-5300. Classificação livre.

Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário